BLOG MOMENTOS DECISIVOS

Gafe no Oscar e no seu evento: aprenda a improvisar em momentos decisivos

SOAP Comunicação Corporativa
548 views
SOAP_gafe-no-oscar

Um dos maiores eventos televisionados do mundo, a cerimônia do Oscar é transmitida ao vivo para mais de 200 países. Anualmente, o evento premia as produções cinematográficas em diversas categorias – melhor filme, melhor diretor, melhor atriz e por aí vai. Apesar de ser rigidamente planejado, gafes também fazem parte do evento.

 

No ano passado, tivemos a repercussão (e também um texto no nosso blog) do “não sei opinar”, dito por Glória Pires, convidada para… opinar, durante a transmissão da premiação no Brasil. Já neste ano, o deslize foi a troca do envelope de melhor filme. O envelope entregue por funcionários da empresa de auditoria PricewaterhouseCooper (PwC) para os atores Faye Dunaway e Warren Beatty, que anunciariam o vencedor, continha a informação do prêmio de melhor atriz (que foi concedido a Emma Stone, por sua atuação em La La Land). Com a informação equivocada em mãos, La La Land foi anunciado como melhor filme.

 

Assim que soube o que tinha acontecido, Jordan Horowitz, produtor de La La Land, que já tinha até feito o discurso da vitória, pegou o microfone e anunciou a troca. “Desculpe, houve um erro. Moonlight, vocês ganharam. Isso não é uma brincadeira”, disse Horowitz, mostrando o papel correto. Ele improvisou e, mesmo com o nervosismo gerado pela situação, conseguiu que os verdadeiros vencedores subissem logo ao palco.

 

Toda essa situação nos deu a ideia de falarmos sobre improviso esta semana. No mundo dos negócios, você pode ser surpreendido a qualquer momento e ser obrigado a improvisar. Como ter jogo de cintura para não perder a linha de raciocínio nem falar uma bobagem?

 

Imagine que você, gestor de uma empresa, seja surpreendido pelo pedido de um funcionário. Ele quer que você faça uma análise geral sobre o desempenho da empresa no último ano. Você seria capaz de improvisar? Ou nem saberia como começar?

 

Saber contar uma boa história facilita um improviso como esse. Afinal, o improviso nada mais é do que um momento em que a pessoa não preparou o material com antecedência ou não recebeu briefing anterior e precisa se expressar de alguma forma – seja para se fazer entender ou para convencer alguém de algo.

 

Para isso, o ideal é que se tenha uma estrutura básica de roteiro em mente, mesmo que seja para recheá-lo de informações na hora H. Contextualize o ambiente, enxergue os problemas, as necessidades e os conflitos. A partir daí, mostre as oportunidades e os possíveis desafios, para então concluir. Eduardo Adas, sócio da SOAP, conta que “transformar uma situação em narrativa gera empatia na audiência e facilita o engajamento. O público consegue se identificar com os personagens da história”.

 

Voltando ao exemplo do funcionário, se você tiver de improvisar, pode iniciar apontando os problemas do mercado e as incertezas que permearam a empresa naquele período. Mostrar como o cenário externo interferiu no dia a dia da companhia – por exemplo, clientes passaram a pensar melhor antes de investir e houve redução de custos para evitar demissões. Por fim, apesar dos problemas, a empresa olhou para o mercado, viu oportunidades para inovar nos produtos e procurar novos clientes; transformou um ano conturbado em um dos melhores de sua história institucional.

 

Percebe? Houve uma contextualização e uma abordagem de como os conflitos desencadearam soluções e oportunidades de crescimento. Você pode utilizar uma estrutura de roteiro como essa em qualquer situação, seja em uma apresentação de resultados para incentivar tomadas de decisão, em reuniões financeiras, ou até mesmo para convencer pessoas sobre algo importante para você em sua vida pessoal.

 

Eduardo afirma que “mesmo quando não se prepara, se você tem uma estrutura de raciocínio clara e predefinida, pode resgatá-la e colocar argumentações para quaisquer situações”.

 

O ideal é que o apresentador tenha capital intelectual – ou seja, vivência e conhecimento suficientes para ser capaz de dar exemplos e citar artigos sobre o tema, por exemplo. Caso você não seja um grande conhecedor do assunto, não se envergonhe e assuma. A sinceridade tende a gerar credibilidade, e é muito bem aceita nos momentos inesperados. Se quiser, ainda pode se oferecer a depois pesquisar sobre o tema para responder a alguma dúvida específica.

 

Os erros geralmente acontecem justamente porque as pessoas ignoram a possibilidade de ter de improvisar. Ou então porque acreditam saber demais e, portanto, não veem necessidade de se preparar.

 

Esperamos que a vergonha alheia que você sentiu no momento da entrega do Oscar tenha sido recompensada com essas dicas!