Loading

BLOG MOMENTOS DECISIVOS


Boletim ATD 201 – Ferramentas de verificação de desempenho para medir Soft Skills

SOAP Comunicação Corporativa
182 views

Em sua palestra no ADT 2018, a consultora Judith Hale apresentou duas ferramentas importantes para que os profissionais de T&D consigam medir o desenvolvimento e a performance de pessoas que são treinadas em softs skills.

Em primeiro lugar, ela trouxe exemplos claros para tangibilizar o que são softs skills. Ou seja, em comunicação, a capacidade de fazer apresentações é uma soft skill; nas relações interpessoais, a capacidade de negociação; e, em liderança, duas importantes softs skills são a capacidade de influenciar e de motivas as pessoas.

Depois disso, Judith apresentou duas ferramentas para mensurar essas habilidades: Checklist (Sim ou Não) e Questionário com Escala de Respostas.

 

Checklist (Sim ou Não)

Quando o que se quer saber sobre o desempenho das pessoas após um treinamento de Soft Skills são coisas mais simples, em que apenas é preciso verificar a mudança de comportamento, o Checklist é a ferramenta ideal e mais assertiva.

No entanto, é fundamental definir em conjunto com a organização o que querem que seja avaliado.

Outro ponto importante é a participação ativa de um profissional de T&D nesse tipo de avaliação – pois ele precisa ser preenchido por um observador, e não por quem está sendo capacitado.

Além disso, é preciso alinhar os critérios adotados com todas as pessoas, afinal os critérios das pessoas são diferentes – para alguns beleza se resume a aspectos físicos, para outros, a questões como bondade e simplicidade.

Um dos grandes benefícios desse tipo de avaliação é que os critérios são muito claros e o avaliado sabe exatamente o que esperam dele.

 

Questionário com Escala

Por outro lado, quando há mais nuances e fatores a serem avaliados e analisados em uma soft skill, o Questionário com Escala é muito mais eficiente e rico.

Para criar um Questionário com Escala, Judith deu as seguintes dicas:

  1. Liste os comportamentos e atributos que se quer medir;
  2. Decida em qual escala quer medi-los: quantidade, completude, grua de acompanhamento e etc.;
  3. Defina as regras de pontuação;
  4. Dê as instruções para o uso dessa avaliação.

 

Com isso, independentemente da ferramenta que se use, o que Judith trouxe em sua apresentação foi a certeza de que é possível, sim, medir e avaliar os resultados de treinamentos voltados ao desenvolvimento de Soft Skills. E que essas ferramentas dão muito mais possibilidades de avaliar os resultados do trabalho de T&D.

 

PS: Não deixe de compartilhar esse post nas redes sociais se você tiver gostado! Além de compartilhar conhecimento, você ainda dá aquela forcinha pra gente!  😉